SAUDAÇÕES E BOAS VINDAS

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO! PARA SEMPRE SEJA LOUVADO!

Caríssimos e amados irmãos e irmãs em Nosso Senhor Jesus Cristo! Sêde BEM-VINDOS!!! Através do CATECISMO, das HOMILIAS DOMINICAIS e dos SERMÕES, este blog, com a graça de Deus, tem por objetivo transmitir a DOUTRINA de Nosso Senhor Jesus Cristo. Só Ele tem palavras de vida eterna. Jesus, o Bom Pastor, veio para que Suas ovelhas tenham a vida, e com abundância. Ele é a LUZ: quem O segue não anda nas trevas.

Que Jesus Cristo seja realmente para todos vós: O CAMINHO, A VERDADE, A VIDA, A PAZ E A LUZ! Amém!

domingo, 22 de janeiro de 2017

HOMILIA - 3º Domingo depois da Epifania

   Leituras: Epístola de São Paulo Apóstolo aos Romanos, XII, 16-21.
                    

   Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus segundo São Mateus, VIII, 1-13:

Na parte superior, vemos o Centurião
pedindo a Jesus a cura de seu servo
paralítico.
   Depois que Jesus desceu do monte, muita gente o acompanhou. E eis que, vindo um leproso, o adorava dizendo:  "Senhor, se queres, podes limpar-me".E Jesus estendendo a mão, tocou-o, dizendo: "Pois, eu quero, fica limpo". E logo ficou limpa toda a sua lepra. Então lhe disse Jesus: "Vê, não o digas a ninguém; mas vai mostra-te ao sacerdote, e faze a oferta que ordenou Moisés, para lhes servir de testemunho a eles". E tendo entrado em Cafarnaum, chegou-se ao pé dele um centurião, fazendo-lhe esta súplica e dizendo: "Senhor, o meu criado jaz em casa doente duma paralisia, e padece muito com ela". E Jesus respondeu-lhe: "Eu irei e curá-lo-ei". E respondendo o centurião disse: "Senhor, eu não sou digno de que entres na minha casa; dize, porém, uma só palavra, e o meu criado será salvo. Pois também eu sou homem sujeito a outro, que tenho soldados às minhas ordens, e digo a um: Vai acolá, e ele vai; e a outro: Vem cá, e ele vem; e ao meu servo: Faze isto, e ele faz". E Jesus ouvindo-o falar assim, admirou-se e disse para os que o seguiam: "Em verdade, vos afirmo que não achei tamanha fé em Israel. Digo-vos, porém, que virão muitos do oriente e do ocidente, e se sentarão à mesa com Abraão e Isaac e Jacó no reino dos Céus; e os filhos do reino serão lançados nas trevas exteriores, onde haverá choro e ranger de dentes". Então disse Jesus ao Centurião: "Vai, e faça-se segundo tu creste". E naquela mesma hora ficou são o criado. 

   Caríssimos e amados irmãos em Nosso Senhor Jesus Cristo!


   O Santo Evangelho de hoje relata-nos dois milagres: a cura de um homem leproso; e a do servo do Centurião. Com a graça de Deus, vamos fazer algumas reflexões sobre ambos.

   O pobre leproso do Evangelho, tendo ouvido falar dos milagres de Jesus, foi ao seu encontro e prostrando-se humildemente a seus pés, diz-lhe com fé admirável: Senhor, se quereis, podeis curar-me". Súplica breve, simples, comovente, cheia de fé, de humildade e de submissão à vontade de Jesus. Eis o comentário de São João Crisóstomo: "Ele não diz: se pedires a Deus; mas se quereis, podeis curar-me. Também não diz: Senhor, curai-me; mas abandona-se inteiramente a Jesus, considerando-o como Senhor e Mestre soberano de todas as coisas, que conhece, muito melhor do que ele próprio, os seus verdadeiros interesses".

   Caríssimos, oh! se soubéssemos orar como este leproso! Quantas graças alcançaríamos!

   Quanto às graças espirituais, isto é, quando pedimos coisas que se referem à glória de Deus e à salvação da nossa alma, tenhamos confiança firme e inteira de que seremos ouvidos por Jesus. Quando se trata de graças temporais, peçamos; mas, quanto à oportunidade, entreguemo-nos à vontade de Deus: "Senhor, se quereis..."

   Jesus estende a mão em sinal do seu poder; e toca o leproso com essa mão divina para nos mostrar como é que a sua humanidade santa, unida à divindade, se torna o instrumento abençoado das maiores maravilhas. E ao mesmo tempo afirma-lhe: "Eu o quero, fica limpo!" O efeito é produzido imediatamente: "e naquele instante as sua lepra foi curada".


   Passemos ao segundo milagre: A súplica do Centurião (que era pagão, mas admirava a religião e até tinha edificado à sua custa, a sinagoga da cidade) é perfeita sob o ponto de vista da fé e confiança na bondade e no poder de Jesus. Observemos que ele não pede a Jesus, como outros, que vá a sua casa e imponha as mãos sobre o seu servo e o cure. Mas, como tinha feito Maria Santíssima nas bodas de Caná, como farão mais tarde as irmãs de Lázaro, limita-se a expor ao Salvador o miserando estado do seu doente.

   E este Centurião dá-nos um exemplo belíssimo de caridade: ensina aos amos como devem tratar paternalmente os seus servos, a solicitude e bondade de que os devem cercar nas suas doenças.

   E disse-lhe Jesus: "Eu irei e curá-lo-ei". E é aqui que resplandecem a humildade e a fé deste Centurião diante de tanta condescendência e bondade de Jesus: "Senhor,eu não sou digno de que entreis em minha casa; mas dizei uma só palavra e meu servo ficará curado..." Ele, pobre pecador e pagão, não se julga digno de receber em sua casa a visita de Jesus, que considera como um grande Profeta, como um Deus. E além disto ele julga desnecessária a ida de Jesus; porque basta um simples ato da vontade de Jesus, uma simples palavra sua, para que seu servo seja curado. Assim comenta Santo Agostinho: "Este bom centurião proclamando-se indigno, tornou-se digno de receber Jesus Cristo, não somente em sua casa, mas em seu coração"  - "E por esta admirável humildade, acrescenta São João Crisóstomo, mereceu o reino do Céu". Podemos acrescentar que mereceu também que a sua piedosa resposta, inserida pela Santa Madre Igreja nas preces litúrgicas, fosse recitada todos os dias no Santo Sacrifício da Missa, antes da comunhão do sacerdote e antes da dos fiéis.

  Um dia, Santa Catarina de Sena, absorta na sua profunda indignidade, não ousava aproximar-se da santa Mesa e dizia a seu divino Esposo: "Senhor, bem vedes, eu não sou digna de vos receber em meu pobre coração". "É certo, respondeu-lhe Jesus com amor inefável, mas eu sou digno de entrar nele"!

   Ó bom Jesus, tende compaixão da minha triste miséria! Com mais fundamento do que a vossa serva, eu reconheço que não sou digno de vos receber. Mas vós sois infinitamente bom e misericordioso; dizei uma só palavra: "Quero limpar-te", e minha pobre alma será purificada. Depois vinde fortificá-la, consolá-la, enchê-la da vossa graça e do vosso amor, a fim de que seja transformada em vós, e não mais viva senão para Vós! Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário