SAUDAÇÕES E BOAS VINDAS

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO! PARA SEMPRE SEJA LOUVADO!

Caríssimos e amados irmãos e irmãs em Nosso Senhor Jesus Cristo! Sêde BEM-VINDOS!!! Através do CATECISMO, das HOMILIAS DOMINICAIS e dos SERMÕES, este blog, com a graça de Deus, tem por objetivo transmitir a DOUTRINA de Nosso Senhor Jesus Cristo. Só Ele tem palavras de vida eterna. Jesus, o Bom Pastor, veio para que Suas ovelhas tenham a vida, e com abundância. Ele é a LUZ: quem O segue não anda nas trevas.

Que Jesus Cristo seja realmente para todos vós: O CAMINHO, A VERDADE, A VIDA, A PAZ E A LUZ! Amém!

domingo, 1 de janeiro de 2017

HOMILIA DO DOMINGO NA OITAVA DO NATAL - Com explicação da Epístola

   Leituras: da Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas IV, 1-7.
   Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas II, 33-40.

  
EXPLICAÇÃO DA EPÍSTOLA DA MISSA DO DOMINGO NA OITAVA DO NATAL

   Irmãos: Enquanto o herdeiro é menino, em nada difere do servo, ainda que de tudo seja senhor; mas está sujeito a tutores e procuradores até o tempo determinado pelo pai. Assim também nós, quando éramos meninos, éramos sujeitos às leis do mundo. Quando, porém, se cumpriu a plenitude do tempo, enviou Deus o seu Filho, nascido de uma mulher, sujeito à lei, a fim de remir os que à lei estavam sujeitos e para que recebêssemos a adoção de filhos. E porque sois filhos, enviou Deus a vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Abba, Pai. Portanto, já nenhuma de vós é servo, mas filho; e se é filho, é também herdeiro por Deus. 

   Caríssimos e amados irmãos em Nosso Senhor Jesus Cristo!

   Em primeiro lugar darei uma explicação geral desta Epístola que acabamos de ler. Assim queria dizer o Apóstolo São Paulo: Meus irmãos, até quando o herdeiro for menino, não há diferença alguma entre ele e um servo. Pois, ainda que seja dono de todo o patrimônio, ainda assim, até quando não chegar a maior idade ou ao tempo marcado pelo pai, não pode dispor do que possui, sendo pelo contrário governado pelos seus tutores e administradores. Assim também, nós, os judeus, durante todo o tempo em que vivíamos sob a Lei Antiga éramos como crianças e, portanto, submissos servilmente a todas as exigências materiais que constituem o cerimonial da Lei Mosaica. Mas quando chegou o tempo estabelecido por Deus, nosso Pai, para a nossa emancipação, Ele enviou ao mundo seu Filho, formado no seio puríssimo da Virgem Maria, a fim de que, livrando-nos dos grilhões da lei, fôssemos adotados como filhos. E pois que somos filhos de Deus, enviou aos nossos corações o Divino Espírito Santo, que é o Espírito do Unigênito do Pai, infundindo-nos o amor filial que nos faz clamar a Deus com esse grito: Pai, meu Pai! Portanto, não somos mais servos e sim filhos e, como tais, herdeiros das promessas outrora feitas a Abraão. 

   As várias etapas que precederam a vinda do Messias vêm constituir no dizer de São Paulo a época da minoridade, em que o gênero humano possuindo embora o grande tesouro das promessas, delas ainda não podia usufruir. Por Nosso Senhor Jesus emancipados da lei antiga que nos fazia escravos, por Ele entramos na plena posse da nossa herança, que nos faz, doravante, filhos de Deus. Assim, não somos mais escravos e sim filhos, e, como tais, herdeiros do reino dos céus. 

   Caríssimos, nisto está toda a nossa dignidade: Somos filhos de Deus! 
   A uma filha de um rei de França que repreendia asperamente uma sua criada, , dizendo-lhe: "Eu sou filha de um rei", retrucava-lhe a criada: "E, eu sou filha de Deus!" 

   Caríssimos, embora, demore um pouco mais, vale a pena meditarmos sobre esta filiação divina que Jesus nos mereceu. Na verdade, se quisermos apreciar pela sua justa medida o valor da graça, é mister vermos o que fizeram as três Pessoas Divinas para no-la comunicar. O Pai tem apenas um Filho, que é a sua imagem viva e substancial, um Filho que Ele ama como a si mesmo. Ora, este Filho, Ele entrega-O, encarna-O, sacrifica-O para nos dar a vida da graça, que tínhamos perdido pelo pecado de Adão. "De tal modo Deus amou o mundo, que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele acredita não morra, mas tenha a vida eterna" (S. João III, 16). O Filho era completamente feliz no seio do Pai; amado por Ele com um amor infinito e amando-O com um amor recíproco, não tinha nenhuma necessidade de nós. E, no entanto, por amor do Pai, como por amor de nós, consente em fazer-se homem para nos divinizar, consente em abraçar as nossas necessidades e dores, em sofrer e morrer por nós numa cruz, para nos ser restituída a vida que perdêramos em Adão. "Cristo amou-nos e entregou-se por nós em oblação e sacrifício de suave odor" (Efésios V, 2), a fim de que purificados pela virtude do seu sangue e do seu amor, vivêssemos da sua vida. O Espírito Santo, laço de amor entre o Pai e o Filho, igual aos dois, gozando da mesma felicidade que Eles, não tinha, certamente, necessidade do nosso amor. E, apesar disso, para nos santificar, aplicando-nos os méritos do Filho, desce ao nosso pobre coração, expulsa de lá o pecado, adorna-o da graça e das virtudes e dá-se-nos Ele próprio, para que gozemos da sua presença e dos seus dons, na expectativa da eterna posse de Deus: "O amor de Deus", diz-nos São Paulo, " foi derramado nos nossos corações pelo Espírito Santo, que nos foi dado" (Romanos, V, 5).

   Caríssimos, terminemos com a exortação de São Leão Magno: "Reconhece, cristão, a tua dignidade e, visto que és participante da natureza divina, não voltes, por uma conduta desregrada, à tua antiga baixeza. Lembra-te de que corpo és membro e quem é o teu chefe. Lembra-te de como foste arrancado ao poder das trevas e transportado para o reino da luz, como o santo batismo te consagrou templo do Espírito Santo". Amém!.


Nenhum comentário:

Postar um comentário