SAUDAÇÕES E BOAS VINDAS

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO! PARA SEMPRE SEJA LOUVADO!

Caríssimos e amados irmãos e irmãs em Nosso Senhor Jesus Cristo! Sêde BEM-VINDOS!!! Através do CATECISMO, das HOMILIAS DOMINICAIS e dos SERMÕES, este blog, com a graça de Deus, tem por objetivo transmitir a DOUTRINA de Nosso Senhor Jesus Cristo. Só Ele tem palavras de vida eterna. Jesus, o Bom Pastor, veio para que Suas ovelhas tenham a vida, e com abundância. Ele é a LUZ: quem O segue não anda nas trevas.

Que Jesus Cristo seja realmente para todos vós: O CAMINHO, A VERDADE, A VIDA, A PAZ E A LUZ! Amém!

quinta-feira, 13 de abril de 2017

QUINTA-FEIRA SANTA


Instituição da Eucaristia e do sacerdócio

"No cenáculo, assim como há mais que uma refeição, assim também há outra coisa além do sacrifício. Há a instituição de um novo sacerdócio. Como teria Jesus dito aos homens: Se não comerdes a minha carne e não beberdes o meu sangue, não tereis vida em vós, se não pensasse em criar um ministério, pelo qual renovasse, até ao fim dos séculos, o que então acabava de fazer na presença dos doze Apóstolos? Ora, eis aqui o que diz a estes homens que escolheu: Fareis isto em memória de mim. Dá-lhes por estas palavras o poder de converter o pão em seu corpo e o vinho em seu sangue; e este sublime poder transmitir-se-á na Igreja pela sagrada ordenação, até à consumação dos séculos. Jesus continuará a realizar pelo ministério de homens mortais e pecadores, o milagre que fez no cenáculo; e, ao mesmo tempo que dota a sua Igreja com este único e perpétuo sacrifício, dá-nos , segundo sua promessa, com o pão do Céu, o meio de nós permanecermos nele, e ele em nós" (D. Guéranger, Ann. liturg.).

Estas duas instituições reunidas encerram dois poderosos motivos de reconhecimento, que hão de ser hoje o objeto da nossa meditação. O primeiro refere-se a todos os fiéis: Accipite et manducate, hoc est corpus meum..., accipite et bibite, hic este sanguis meus; [tomai e comei, isto é o meu corpo]; o segundo refere-se em particular aos Sacerdotes: Hoc facite in meam  commemorationem [Fazei isto em minha memória].

I. Amor de Jesus Cristo para com os homens na instituição dos mistérios deste dia: Hoc est corpus meum [Isto é o meu corpo].

II. Amor particular de Jesus Cristo para com os seus ministros: Hoc facite in meam commerationem.

I. Amor do Salvador para com os homens na instituição dos mistérios deste dia. A Eucaristia é o testamento do Filho de Deus, que vai morrer; é um dom, último penhor da sua ternura. Qual é este dom? A quem é feito? Quando e porquê é ele feito? Só o amor infinito era capaz destas invenções inefáveis, que já os profetas entreviram: Notas facit in populis adinventiones ejus [Isaías, III, 10).

1º "Tendo amado os seus que estavam neste mundo amou-os até ao fim". Tudo estava preparado, e era chegada a hora de cumprir o grande desígnio formado pelo Coração de Jesus. "Enquanto ceavam, tomou Jesus o pão, benzeu-o, partiu-o, e deu-o a seus discípulos, dizendo: "Tomai e comei:isto é o meu corpo, que será entregue por amor de vós". E tomando o cálice, deu graças, e deu-lho, dizendo: "Bebei dele todos, porque isto é o meu sangue do Novo Testamento, que por vós será derramado" (Mat. XXVI, 26). Posso eu ouvir estas palavras, sem me sentir tomado de respeito e transportado de amor?

Isto é o meu corpo, isto é o meu sangue! Que é o que Jesus nos dá? É infinitamente mais que o seu reino; é Ele mesmo, seu poder, sua bondade, suas graças, seus merecimentos! ... A sua carne crucificada por amor de nós identifica-se com a nossa carne; o seu sangue, que salvou o mundo, mistura-se com o nosso sangue. Nossa alma une-se à do Redentor; sua divindade penetra-nos, e consome em nós tudo o que o pecado havia corrompido. O amigo fiel repousa no nosso seio, e diz-nos: Pone me ut signaculum super cor tuum (Cant. VIII, 6) (=Põe-me como selo sobre o teu coração).
Ó homens, buscai algum bem, que não esteja neste dom inestimável! e vede se o amor de Jesus para convosco o não tornou pródigo de si mesmo, pois julgou que era muito pouco dar-vos tudo o que possui, se vos não desse também tudo o que Ele é: divindade e humanidade!...

2º Mas, a que homens privilegiados será destinado tão mimoso favor? Será reservado para a incomparável Virgem, para o apóstolo a quem Jesus amava, para algumas almas escolhidas, êmulas da pureza de Maria e de São João? Não. Jesus concede-o a todos os seus discípulos: Deditque discipulis suis, a todos os filhos da sua Igreja, de todos os tempos, de todos os lugares, de todas as condições.

Ninguém é excluído, se não se exclui por sua própria vontade; e é por isso que, depois de ter feito este prodígio, compêndio de todos os prodígios, ordena aos seus ministros que façam o que Ele acaba de fazer, que perpetuem este milagre de amor, renovando-o até ao fim dos séculos, em toda a parte onde conquistarem para Ele servidores. Oh! como é verdade que o seu amor para conosco não tem limites, pois se dá todo inteiro e a todos! E este amor é também desinteressado.

3º Quando instituiu a Eucaristia, que esperava Ele dos homens? Quando lhes dava uma prova de seu generoso e extremoso amor, que Lhe preparavam eles? É na véspera da sua Paixão, in qua nocte tradebatur [na noite em que seria entregue], no momento em que os Judeus deliberavam sobre os meios a empregar para Lhe darem uma morte infame e cruel, no momento em que Judas Iscariotes buscava ocasião de o entregar ao seu ódio e inveja. Quando os homens mereciam mais sua indignação, é que Ele leva o amor para com eles até aos últimos limites: In finem dilexit eos. Vê o que se maquina contra Ele, conhece as profanações futuras e os atentados presentes; nada o detém: Aguae multae non potuerunt extinguere caritatem, nec flumina obruent illam (=As muitas águas não puderam extinguir o amor, nem os rios terão força para o submergir].

4º Finalmente, que se propõe Ele nesta admirável instituição, senão vencer a excessiva perversidade com a excessiva bondade? Os homens rejeitam-no, vão dentro  em breve gritar: Tolle, tolle, crucifige eum [Tira-o, tira-o, crucifica-o]; e ele prende-se a eles para não os deixar mais. Querem, por assim dizer, com seus enormes crimes, forçar Deus a feri-los sem misericórdia, e Jesus quer interpor-se como vítima de propiciação, com um sacrifício perpétuo, entre a justiça de seu Pai e os crimes dos homens. Não podem suportá-lo; e Ele, dir-se-ia que não pode abandoná-los; só se achará bastante perto deles, depois que tiverem comido a sua carne e bebido o seu sangue! Quer ser o alimento de suas almas; Ego reficiam vos; quer comunicar-lhes sua vida divina, que aproveitará também  a seus corpos, e em virtude da qual os ressuscitará no último dia (cf. S. João, VI, 55).

Tais são os intuitos do seu amor neste mistério: estar sempre com os homens; sacrificar-Se sempre por eles; unir-Se a eles como seu alimento, para os transformar nele. Até ao fim dos séculos, terão junto a si o tabernáculo em que reside, o altar em que se imola, a sagrada mesa em que se dá como alimento.

II. Amor do Salvador para com seus ministros na instituição dos mistérios desde dia. [Só darei o resumo].

A Eucaristia, que é a riqueza de toda a Igreja, é o tesouro particular do sacerdócio. Houve jamais ministério tão divino? Como o exerceis vós, ministros do Senhor? Honrai hoje o Santíssimo Sacramento e o sacerdócio com especial devoção. (Extraído do Livro "MEDITAÇÕES SACERDOTAIS"  de autoria do Padre Chaignon, S. J.).


Nenhum comentário:

Postar um comentário