SAUDAÇÕES E BOAS VINDAS

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO! PARA SEMPRE SEJA LOUVADO!

Caríssimos e amados irmãos e irmãs em Nosso Senhor Jesus Cristo! Sêde BEM-VINDOS!!! Através do CATECISMO, das HOMILIAS DOMINICAIS e dos SERMÕES, este blog, com a graça de Deus, tem por objetivo transmitir a DOUTRINA de Nosso Senhor Jesus Cristo. Só Ele tem palavras de vida eterna. Jesus, o Bom Pastor, veio para que Suas ovelhas tenham a vida, e com abundância. Ele é a LUZ: quem O segue não anda nas trevas.

Que Jesus Cristo seja realmente para todos vós: O CAMINHO, A VERDADE, A VIDA, A PAZ E A LUZ! Amém!

domingo, 1 de outubro de 2017

HOMILIA DOMINICAL - 17º Domingo depois de Pentecostes

Leituras: Epístola de São Paulo Apóstolo aos Efésios 4, 1-6: "Irmãos: Eu, que me acho preso pelo amor do Senhor, vos rogo que andeis como é digno da vocação a que fostes chamados; em toda humildade e mansidão, com paciência, suportando-vos uns aos outros na caridade e procurando guardar a união do Espírito, no vínculo da paz. Um só corpo e um só Espírito, como também sois chamados a uma só esperança por vossa vocação. Um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um Deus e Pai de todos, que está acima de todos e age em tudo e em todos nós. Seja Ele bendito pelos séculos dos séculos. Amém. 

Leitura do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus 22, 34-46: "Naquele tempo, chegaram-se a Jesus os fariseus, e um deles, que era doutor da lei perguntou-Lhe para O tentar: Mestre, qual é o grande mandamento da Lei? Disse-lhe Jesus: Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo teu entendimento. Este é o máximo e o primeiro mandamento. O segundo é semelhante a este: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei, e os profetas. E estando juntos os fariseus, interrogou-os Jesus, dizendo: Que vos parece de Cristo? De quem Ele é Filho? Responderam-lhe: de Davi. Jesus lhes disse: Como, pois, em espírito, Davi o chama Senhor, dizendo: O Senhor disse a meu Senhor: Senta-te à minha direita, até que ponha os teus inimigos como escabelo de teus pés? Se, pois, Davi O chama Senhor, como é Ele o seu filho? E ninguém, pôde responder-Lhe uma só palavra; e desde aquele dia ninguém ousou mais fazer-Lhe perguntas".

Caríssimos e amados irmãos em Nosso Senhor Jesus Cristo!

A prática de hoje é extraída do Livro "INTIMIDADE DIVINA" do P. Gabriel de Santa M. Madalena, O. C. D.

1 - "Como Jesus, no curso da Sua vida terrena, não cessou de recomendar a caridade e a união fraterna, assim a Igreja, nas Missas dominicais, continua a inculcar-nos esta virtude. Hoje fá-lo servindo-se de um trecho da carta de S. Paulo aos Efésios (4, 1-6): 'Rogo-vos que andeis dum modo digno da vocação a que fostes chamados, com toda a humildade e mansidão, com paciência, suportando-vos uns aos outros por caridade, solícitos em conservar a unidade do espírito pelo vínculo da paz'. O chamamento que recebemos foi a vocação ao cristianismo, a vocação ao amor. Deus, caridade infinita, adota-nos como Seus filhos afim de que rivalizemos com a Sua caridade a tal ponto que seja o amor o vínculo que nos una a todos num só coração, como o Pai e o Filho estão unidos numa só Divindade pelo vínculo do Espírito Santo. 'Como Tu, Pai, o és em mim e eu em ti, que também eles sejam um em nós', pediu Jesus para nós (S.Jo. 17, 21).
   "Conservar a unidade pelo vínculo da paz": eis uma coisa fácil e difícil ao mesmo tempo. Fácil porque , quando o coração é verdadeiramente humilde, manso e paciente, tudo suporta com amor, tendo maior cuidado em se adaptar à mentalidade e aos gostos alheios do que em fazer valer os seus. Difícil porque, enquanto estivermos no mundo, o amor próprio, apesar de mortificado, tenta sempre ressurgir e afirmar os seus direitos, criando constantes ocasiões de choques recíprocos. Para os evitar é preciso muita renúncia de si mesmo e muita delicadeza para com os outros. Devemos persuadir-nos de que tudo o que perturba, enfraquece ou, o que é pior, destrói a união, não pode agradar a Deus, mesmo que o façamos sob pretexto de zelo. EXCETUANDO O CUMPRIMENTO DO DEVER E O RESPEITO PELA LEI DE DEUS, (os destaques são meus), devemos preferir sempre renunciar às nossas idéias, embora boas, a discutir com o próximo. Dá muito mais glória a Deus um ato de renúncia humilde a favor da união, dá muito mais glória a Deus a paz entre os irmãos, do que uma obra grandiosa que possa causar discórdia e desentendimento.

2 - "O excesso de personalismo, o grande desejo de agir cada um a seu modo são muitas vezes causa de divisões entre os bons. Dada a nossa limitação, as nossas ideias não podem ser de tal modo absolutas que não admitam as ideias dos outros. Se o nosso modo de ver é bom, reto, luminoso, pode haver outros igualmente bons e até melhores; por isso, em vez de o rejeitarmos por não sabermos renunciar a opiniões demasiado pessoais, é mais prudente, humilde e caritativo aceitar o modo de ver alheio, procurando conciliá-lo com o nosso. Este personalismo é inimigo da união, é um obstáculo para o maior êxito das obras e mesmo para o nosso progresso espiritual.
Jesus estava no Templo de Jerusalém. Tinha vindo
de Betânea: eis na foto um trecho da estrada. Era 2ª Feira
Santa. Jesus amaldiçoou uma figueira por não ter frutos:
Ação simbólica, isto é, uma parábola representada, invés
de contada.  Se fosse hoje, Jesus teria sido preso, porque
a árvore que Ele amaldiçoou, no dia seguinte já estava
seca. 
   "Na Epístola de hoje S. Paulo apresenta-nos todos os motivos que temos para nos mantermos unidos: '[sede] um só corpo e um só espírito como fostes chamados a uma só esperança pela vossa vocação; há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos'. Se Deus quis salvar-nos e santificar-nos unidos a Cristo e formando com Ele um só corpo, dando-nos uma única vocação, uma única fé, uma única esperança e sendo Ele o Pai de todos, como pretenderemos salvar-nos e santificar-nos separando-nos uns dos outros? Se não queremos frustrar o plano de Deus e pôr em perigo a nossa santificação e salvação, temos de estar prontos para qualquer união. Lembremo-nos de que Jesus pediu para nós não só a união, mas a união perfeita: 'que sejam consumados na unidade' (S. Jo. 17, 23).
   "Também o Evangelho de hoje (S. Mt. 22, 34-46) vem reforçar este incitamento à união, visto Jesus repetir que o mandamento do amor do próximo é, juntamente com o do amor a Deus, o fundamento de 'toda a lei', de todo o cristianismo. Não desprezemos estes chamamentos contínuos à caridade e à união; a Igreja insiste neste ponto, pois nele insistiu Jesus, porque a caridade 'é o mandamento do Senhor e se ele é observado, basta' (S. João Evangelista).
   "(...) Terminemos com as palavras da Liturgia: "Onde há amor e caridade, aí habitais Vós, Senhor! O Vosso amor, o Cristo, congregou-nos num só corpo e num só coração; concedei-nos, pois, amarmo-nos com um coração sincero. Afastai de nós as dissenções e contendas; fazei que os nossos corações estejam sempre unidos em Vós e Vós sempre no meio de nós". Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário