SAUDAÇÕES E BOAS VINDAS

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO! PARA SEMPRE SEJA LOUVADO!

Caríssimos e amados irmãos e irmãs em Nosso Senhor Jesus Cristo! Sêde BEM-VINDOS!!! Através do CATECISMO, das HOMILIAS DOMINICAIS e dos SERMÕES, este blog, com a graça de Deus, tem por objetivo transmitir a DOUTRINA de Nosso Senhor Jesus Cristo. Só Ele tem palavras de vida eterna. Jesus, o Bom Pastor, veio para que Suas ovelhas tenham a vida, e com abundância. Ele é a LUZ: quem O segue não anda nas trevas.

Que Jesus Cristo seja realmente para todos vós: O CAMINHO, A VERDADE, A VIDA, A PAZ E A LUZ! Amém!

domingo, 26 de março de 2017

HOMILIA DOMINICAL - 4º DOMINGO DA QUARESMA

Leituras: Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas 4, 22-31.
                Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João 6, 1-15: 

 
 "Naquele tempo, passou Jesus à outra margem do mar da Galileia, que é o de Tiberíades, seguindo-O grande multidão, porque via as maravilhas que ele fazia aos que estavam enfermos. Subiu, então, Jesus ao lado de seus discípulos. Ora, estava próxima a Páscoa, a festa dos judeus. Erguendo Jesus os olhos e vendo que uma grande multidão vinha a Ele, disse a Felipe: Onde compraremos pães para dar de comer a toda essa gente? Dizia isso, porém, para o experimentar, porque Ele bem sabia o que havia de fazer. Respondeu-Lhe Felipe: Duzentos dinheiros de pão não bastariam para que cada um deles recebesse uma pequena porção. Disse a Jesus um de seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro: está aqui um moço que tem cinco pães e dois peixes, mas que é isto para tanta gente? Disse-lhe Jesus: fazei assentar os homens. Havia no lugar muita relva. Assentaram-se, pois, os homens, em número de quase cinco mil. Tomou, então, Jesus os pães, e havendo dado graças, distribuiu-os aos que estavam sentados; e igualmente distribuiu os peixes, quanto eles quiseram. Quando já estavam fartos, disse Ele a seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobraram, para que se não percam. Recolheram-nos, pois, e encheram doze cestos de pedaços dos cinco pães de cevada, que sobraram aos que comeram. Vendo, então, aqueles homens o milagre que Jesus fizera, diziam: Este é verdadeiramente o Profeta que deve vir ao mundo. Mas Jesus sabendo que o viriam buscar à força, para O fazerem rei, fugiu de novo sozinho para um monte".

   Caríssimos e amados irmãos em Nosso Senhor Jesus Cristo!

   O quarto domingo da Quaresma é chamado o domingo "Laetare", porque a Santa Missa de hoje inicia-se com esta palavra que significa "Alegra-te". A Santa Igreja, como o faz no Advento (3º domingo), interrompe também na Quaresma a sua penitência. Demonstra alegria, pelo toque do órgão, pelo enfeite dos altares e pelo róseo dos paramentos. (Este róseo é para indicar que este domingo é chamado também "dia das rosas"; nele os cristãos se presenteavam mutuamente com rosas). Aliás, toda a Missa de hoje respira alegria e júbilo. E por que assim? Porque antigamente faziam os catecúmenos, neste dia, um juramento solene e eram recebidos no seio da Igreja, representada pela igreja da "Santa Cruz de Jerusalém" em Roma, onde o Papa celebrava a Missa. 
   Mãe dedicada e amorosa, alegra-se a Santa Igreja, ao receber os que serão lavados nas águas batismais (Introito, Epístola). E não menos se alegram os próprios catecúmenos (Gradual, Ofertório e Communio). A maravilhosa multiplicação dos pães, que se repete na santa Missa, nos garante a todos nós, a glória futura. Louvemos e agradecemos a bondade de Deus (Ofertório). 
   Este o significado da Liturgia deste 4º Domingo da Quaresma. Vejamos, agora, brevemente, a explicação do Santo Evangelho de hoje:

Mosaico (sec. V) que se encontra na igreja da Multiplicação
dos Pães e dos Peixes em Tabgha, lugar tradicional
do milagre. 
   Este milagre é a figura do milagre eucarístico. São João observa que "Estava próxima a Páscoa". Assim, em sua ternura maternal, a Santa Igreja oferece hoje este Evangelho à nossa meditação, para nos preparar para a comunhão pascal. Convinha pôr diante dos olhos dos discípulos uma imagem da Páscoa cristã, em que o Cordeiro de Deus imolado seria comido sob a figura do pão. Com efeito, dentro de pouco tempo a Igreja será espalhada por toda a terra, dividida em diversos grupos, cada um debaixo da direção de seu Pastor, de quem receberá o pão celestial; e este alimento vivo e vivificante nunca se acabará.
 As circunstâncias que antecedem, acompanham e seguem o milagre da multiplicação dos pães, significam as disposições que devemos ter antes, durante e depois da Santa Comunhão: 
          A - Circunstâncias que precedem o milagre:
  1. Este povo testemunha a sua fé seguindo a Jesus, vindo procurá-Lo de tão longe e com tantas fatigas. - Devemos também testemunhar a Jesus esta boa vontade, esta fé, este amor.
  2. O povo encontra Jesus no deserto e aí recebe os benefícios de Jesus. -  Igualmente, para merecer participar do banquete da Eucaristia, é mister dar à nossa alma um pouco de retiro, afastar por um tempo toda preocupação temporal, todo divertimento e distrações humanas. "Deus não está na agitação". 
  3. Jesus prepara as multidões para o milagre, instruindo-as e falando-lhes sobre o reino dos céus. - O mesmo faz a Santa Igreja. Durante a Quaresma há mais pregações e ela convida seus filhos a assistirem mais assiduamente à palavra de Deus.
  4. Jesus cura aqueles que têm alguma doença e os cura antes de lhes dar de comer. -  É a figura do Sacramento da Penitência, que deve ordinariamente, preceder à santa comunhão. 
  5. Vemos a obediência e a confiança absoluta deste povo: sob a ordem de Jesus todos se assentam sobre a relva, por grupos, e aguardam sua vez.... -  Aqui há um duplo ensinamento: - a) Se assentar sobre as relvas, segundo os Santos Padres, significa que é preciso calcar aos pés todas as concupiscências da carne, renunciar aos seus maus hábitos... - b) Depois, cada um deve se aproximar da mesa da comunhão segundo a ordem estabelecida, com decoro e modéstia, deve se ajoelhar, colocar as mãos postas e receber na boca a Santa Hóstia.
    B - As circunstâncias do milagre e o milagre mesmo:
  1. Vemos a bondade e atenção do coração misericordioso de Jesus. Tem compaixão das multidões, que são como ovelhas sem pastor, e que vieram de longe para procurá-Lo e escutá-Lo. -  Tendo amado os seus que estavam no deserto deste mundo, amou-os até ao fim, até ao extremo. Diz o Salmo 110: "O Senhor instituiu um memorial de suas maravilhas, Ele que é misericordioso e compassivo, deu alimento aos que o temem". 
  2. Jesus faz trazer os pães, toma-os em suas benditas mãos, eleva os olhos aos Céus, dá graças a seu Pai, depois benze estes pães e os distribui ao povo... e à medida que são distribuídos eles se multiplicam de uma maneira maravilhosa. - Caríssimos, tudo isto figura o que vai se passar depois no Cenáculo, quando, na última Ceia, Jesus vai instituir a Eucaristia. E o mesmo acontece cada dia no mundo todo, sobre os altares, onde Nosso Senhor renova esta maravilha inefável, mudando o pão em seu Corpo e o fazendo distribuir, pelas mãos de seus sacerdotes. 
  3. Todos comeram e se saciaram e ficaram fortificados. - Felizes os cristãos que têm fome da graça, do Corpo sagrado do Salvador!... Aqueles que se aproximam da mesa sagrada com humildade, fé e amor, serão também saciados, fortalecidos e repletos de consolações celestes. Não temos nós enfermidades e fraquezas no deserto desta vida? E não é o pão celestial que recebemos, incomparavelmente superior àquele que fartou o povo judeu? Quantos milagres não encerra? quantos mistérios não resume? De quantas graças não é a fonte? - Todos foram fartos, e fortificados. Eis o efeito do pão eucarístico, quando se come com boa disposição, farta; não se buscam os prazeres da terra, quando já se gozou dos do Céu; conforta, e é neste sentido que se chama o pão dos fortes. 

    B - Circunstâncias que se seguem ao milagre:
  1. Em seguida Jesus disse aos seus discípulos: "Recolhei os pedaços que sobraram". - Isto indica que é aos Apóstolos e aos sacerdotes que Jesus incumbiu esta missão de conservar como o maior tesouro sobre a terra, a divina Eucaristia, e de levá-la aos doentes. E, quanto aos fiéis, devem conservar religiosamente os frutos e as graças da comunhão, tendo todo o cuidado para não os perder. 
  2. Este povo demonstra sua gratidão, exalta a Jesus e reconhece-O como o Messias. - Isto faz a gente pensar como devem ser nossas ações de graças depois da santa Comunhão. 
  3. O povo quer proclamar Jesus Rei. - Depois da Comunhão, lancemo-nos aos pés de Jesus, dando-nos a Ele inteiramente, reconhecendo-O por nosso Mestre e o Rei dos nossos corações!
   

    Caríssimos e amados irmãos! Meditai todos estes pensamentos; examinai-vos sobre vossas comunhões... e prometei a Jesus fazer doravante, todos os esforços para O receber mais frequentemente, e sobretudo com mais devoção e fruto, afim de não viver senão para Ele, aguardando a felicidade de possuí-Lo eternamente na Jerusalém Celeste! Amém!

Nenhum comentário:

Postar um comentário