SAUDAÇÕES E BOAS VINDAS

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO! PARA SEMPRE SEJA LOUVADO!

Caríssimos e amados irmãos e irmãs em Nosso Senhor Jesus Cristo! Sêde BEM-VINDOS!!! Através do CATECISMO, das HOMILIAS DOMINICAIS e dos SERMÕES, este blog, com a graça de Deus, tem por objetivo transmitir a DOUTRINA de Nosso Senhor Jesus Cristo. Só Ele tem palavras de vida eterna. Jesus, o Bom Pastor, veio para que Suas ovelhas tenham a vida, e com abundância. Ele é a LUZ: quem O segue não anda nas trevas.

Que Jesus Cristo seja realmente para todos vós: O CAMINHO, A VERDADE, A VIDA, A PAZ E A LUZ! Amém!

domingo, 27 de dezembro de 2015

DOMINGO DENTRO DA OITAVA DO NATAL

HOMILIA DOMINICAL COM EXPLICAÇÃO DO SANTO EVANGELHO

Leituras: Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gal. 4, 1-7.
                Continuação do Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas, 2, 33-40:

   "Naquele tempo, José e Maria, Mãe de Jesus, maravilhavam-se das coisas que se diziam d'Ele. E Simeão abençoou-os, e disse a Maria, Sua Mãe: Eis que este menino está posto para ruína e ressurreição de muitos em Israel, e em sinal de contradição. E uma espada transpassará a tua alma, para que se manifestem os pensamentos dos corações de muitos. E estava também ali Ana, profetisa, filha de Fanuel, da tribo de Aser, a qual já era de idade avançada; e depois de sua virgindade tinha vivido sete anos com seu marido. E agora, sendo viúva de quase oitenta e quatro anos, não se afastava do templo, servindo a Deus com jejuns e orações, de dia e de noite. Tendo ela chegado àquela mesma hora, louvava ao Senhor e falava do Menino a todos os que esperavam a redenção de Israel. E quando cumpriram todas as coisas segundo a lei do Senhor, voltaram [José e Maria] para Galileia, para a cidade de Nazaré. E o menino crescia e se fortalecia, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com Ele."

Caríssimos e amados irmãos em Nosso Senhor Jesus Cristo!

   Depois que o santo velho Simeão satisfez a sua devoção, publicando o glorioso destino do Menino que tinha nos braços, entregou-O à sua Mãe Santíssima, e fez uma profecia sobre Jesus que seria já a ponta daquela espada de dor que transpassaria inteiramente o coração de Nossa Senhora lá no alto do Calvário: "Eis que este menino está posto para ruína e ressurreição de muitos em Israel, e em sinal de contradição."  Que aflição lhe causariam estas palavras do profeta! É a Maria diretamente, é ao seu coração de mãe que Simeão as dirige: "Disse a Maria, Sua Mãe". É como se dissesse: "Este Filho que vos é tão caro; este Deus, feito homem para salvar a todos os homens: ai! não os salvará a todos; será para muitos objeto de escândalo; oh! para quantos será ocasião de ruínas! O Salvador das almas será ocasião de perdição de almas, não de algumas somente, mas de um grande número, multorum (de muitos)! Triste mistério da perversidade humana! E isto já fora profetizado: "... E será para vós um motivo de santificação, ao passo que servirá de pedra de tropeço, e de pedra de escândalo às duas casas de Israel; de laço e de ruína aos habitantes de Jerusalém. Tropeçarão muitos de entre eles, cairão, serão feitos em pedaços" (Isaías, VIII, 14 e 15).
   São Paulo mostrava este oráculo já cumprido no seu tempo; e nos nossos dias não o está menos: "Mas Israel, que seguia a lei da justiça, não chegou à lei da justiça. Por que causa? Porque procurou atingi-la não pela fé, mas pelas obras; tropeçaram na pedra de tropeço, conforme está escrito: eis que eu ponho em Sião uma pedra de tropeço, e uma pedra de escândalo; e todo aquele que crê nela, não será confundido". São Paulo aqui quer dizer o seguinte: Israel não chegou a praticar a Lei, porque não compreendeu o seu espírito, mas somente a letra; nem chegou à justiça à qual a Lei tendia, porque não praticou a Lei pela fé em Nosso Senhor Jesus Cristo que haveria de vir, mas, acreditando que alcançaria a salvação graças ao esforço pessoal em praticar a Lei.
   Os judeus não quiseram receber o Messias: "E os seus não o receberam' (S. Jo. I, 11).  Recusando a luz e rejeitando a salvação, tornaram-se mais culpados e desgraçados pelo abuso que fizeram dos meios de salvação que lhes eram oferecidos. É portanto verdade que Jesus Cristo tem sido ocasião de ruína: mas para quem? Para cegos voluntários, para homens ingratos e invejosos, para escribas e fariseus, que se obstinavam em ser maus, porque Ele era bom, e não podiam perdoar-Lhe os seus milagres, os seus benefícios, a sua virtude, e a afeição do povo que essa virtude Lhe granjeava. Aqueles a quem a infinita misericórdia não justifica, a esses condena-os.

   "Será alvo de contradição!" Estas palavras são a explicação das precedentes. Por que não salva o Redentor dos homens a todos aqueles a quem oferece a salvação? Por que não eleva todas as almas justas ao grau de santidade e glória que lhes destinava? PORQUE É OBJETO DE CONTRADIÇÃO. Foi-o durante a sua vida, de todas as maneiras e da parte de todos; é-o ainda hoje. Os seus milagres, a sua doutrina, a sua condescendência e afabilidade: tudo n'Ele foi e é atacado e combatido. Que horrível contradição não sofreu no Calvário da parte dos pecadores! "Considerai, pois, Aquele que sofreu tal contradição dos pecadores contra si, e não vos deixeis cair no desânimo" (Hebr. XII, 3). Mas esses não O conheciam: "Se a (Sabedoria de Deus) tivessem conhecido, nunca teriam crucificado o Senhor da Glória" (1 Cor. II, 8). Jesus pôde dizer a seu Pai: "Perdoai-lhes, porque não sabem o que fazem". Mas, que doloroso é para o seu coração, ver-se contradito por aqueles que Ele tinha instruído com tanto cuidado, e a quem tinha confiado a instrução de seus irmãos! Amar os elogios, rejeitar as humilhações, buscar as comodidades, não querer negar-se a si mesmo, nem tomar a sua cruz, é contradizer a Jesus Cristo, é combatê-Lo. E não é isto Senhor, o que eu faço muitas vezes? Minhas palavras são por Vós; mas a minha vida é contra Vós; o meu modo de proceder está em contradição com as vossas máximas e exemplos. Se, portanto, não me ponho de acordo convosco, enquanto estou no caminho desta vida, que acharei no termo da viagem, senão uma terrível sentença, uma rigorosa condenação? Meu Deus, suplico-Vos que extirpeis do meu coração tudo, absolutamente tudo quanto se opõe à Vossa santíssima vontade.
   Ó Maria Santíssima, que lágrimas derramastes, que angústias sofrestes por nossa causa! Apesar de nossos crimes, amais-nos sempre. Sede junto do Vosso Filho, a nossa poderosa advogada e Mãe. Alcançai-nos que não aflijamos mais o Seu divino Coração, mas sim, como vós, o sigamos com fidelidade até aos pés dessa Cruz que hoje se vos apresenta. Amém!


Nenhum comentário:

Postar um comentário